Latest Entries »

Obesidade

A obesidade é provavelmente o mais antigo distúrbio metabólico, Há relatos da ocorrência desta desordem em múmias egípcias e em esculturas gregas. Esse distúrbio pode ser definido, de forma simplificada, como uma doença caracterizada pelo acúmulo excessivo de gordura corporal, sendo conseqüência de balanço energético positivo e que acarreta repercussões à saúde, com perda importante não só na qualidade como na quantidade de vida.

É considerada a mais importante desordem nutricional nos países desenvolvidos, uma verdadeira epidemia mundial, tendo em vista o aumento de sua incidência que se distribuí em quase todas as raças e sexos.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a ocorrência da obesidade nos indivíduos reflete a interação entre fatores dietéticos e ambientais com uma predisposição genética. Contudo, existem poucas evidências de que algumas populações são mais suscetíveis à obesidade por motivos genéticos, o que reforça serem os fatores alimentares – em especial a dieta e a atividade física – responsáveis pela diferença na prevalência da obesidade em diferentes grupos populacionais.

Dentre os fatores alimentares, pode-se destacar o excesso de energia e, principalmente, de gorduras, favorecendo o aumento da adiposidade, Outro aspecto nutricional é quanto a freqüência alimentar, já que os indivíduos que consomem maior número de pequenas refeições ao longo do dia apresentam peso relativamente menor do que aqueles que consomem número menor de grandes refeições.

Quanto à prática de exercícios físicos, já é consenso que à medida que a sociedade se torna mais desenvolvida e mecanizada, a demanda por atividade física diminui, diminuindo o gasto energético diário.

Então surgem dúvidas sobre qual seria a melhor forma de treinamento para diminuição e ou manutenção do percentual de gordura, com isso é importante saber que é indicado tanto o treinamento aeróbio como o treinamento de força (musculação), esse que proporciona um aumento da massa magra (músculos). Esse aumento acelera o metabolismo basal, fazendo o corpo gastar mais energia em repouso e em longo prazo, isso proporcionando a manutenção da massa magra e contribuindo para o emagrecimento.

Entre os benefícios do treinamento aeróbio, um dos mais importantes é a diminuição do peso corporal e da porcentagem de gordura, melhorando o condicionamento cardiorrespiratório e fortalecimento dos músculos, com isso favorecendo a perda de gordura e conseqüente redução de peso.

Contudo a obesidade pode ser considerada uma epidemia mundial, e que pode proporcionar o surgimento de várias doenças crônico-degenerativas como hipertensão, diabetes, dislipidemia, doenças do coração, entre outras enfermidades, e como forma de tratamento não farmacológico surge a prática regular de exercícios físicos, combinados com uma dieta saudável.


Existem várias evidências científicas que falam que as mulheres sedentárias apresentam uma importante diminuição do condicionamento físico durante a gestação, sendo a inatividade física um dos fatores associados a uma maior possibilidade de surgimento de doenças durante e após a gestação. No entanto outros estudos comprovam que a manutenção de exercícios de intensidade moderada durante a gravidez não complicada proporciona diversos benefícios para a saúde da mulher.

Mulheres que já se exercitavam antes da gravidez e continuam durante a gestação tendem a ganhar menos peso e suportam melhor as exigências físicas do parto natural. A atividade cardiovascular durante a gestação é mais alta do que no período não gestacional, porém a prática regular de exercícios reduz essa demanda cardiovascular, levando a diminuição da freqüência cardíaca e da pressão arterial, além do aumento no volume de sangue circulante e na capacidade de oxigenação e da redução da incidência do diabetes gestacional. Em mulheres que já tem diabetes gestacional, a atividade física contribui para manter os níveis glicêmicos normais durante essa fase.

Por meio da prática de atividades físicas regulares, as gestantes podem diminuir as diversas dores de origem musculoesquelética, em razão do fortalecimento dos músculos fracos e alongar os tensos e encurtados, levando à adoção de uma postura mais adequada. O exercício colabora pra o aumento do gasto energético da gestante, sendo coadjuvante no controle do peso corporal, evitando uma maior sobrecarga articular. Além de oferecer benefícios emocionais, com o aumento da autoconfiança e auto-estima, propiciando  também uma maior sensação de bem-estar em virtude da elevação da produção de neurotransmissores como a serotonina e beta-endorfina.

Marilia Folha

Alimentação, nutrição, ou a simples forma como nos alimentamos, são temas que concorrem ao lado dos exercícios físicos.

Qualquer pessoa que mantém uma prática regular de exercícios, mantém também algum tipo de rotina alimentícia específica, mas o nível em que a atividade física pode influenciar sobre as minúcias  destas rotinas ainda é um campo de pesquisa desconhecido.

Em pesquisa realizada para a revista de Psiquiatria Clínia, a especialista Sheila Assunção, concluiu que atividade física excessiva voltada para controle de peso é um comportamento muito freqüente entre indivíduos com transtornos alimentares. Porém além da questão psicológica ainda há estudos que comprovam uma supressão fisiológica do apetite, conseqüente dos exercícios físicos.

Quatro hormônios, conhecidos como adipocinas, são os principais atores da supressão de apetite, a adiponectina, a leptina, a grelina e o PYY . O mais curioso é que esses hormônios são secretados pelo próprio tecido gorduroso e em situações de obesidade, onde esse tecido é bastante abundante, o efeito supressor de apetite desses hormônios é anulado.

Para Eduardo Ropelle, pesquisador da Unicamp e do Instituto de Obesidade e Diabetes, o exercício físico age para que as adipocinas sejam ativadas novamente. Pesquisadores da UNIT também afirmaram que esse processo parece ocorrer tanto de maneira imediata após aos exercícios como também a longo prazo.

Apesar dos importantes achados, todos pesquisadores concordam que há pouca conclusão acerca dos métodos e imensidades que afetam de forma específica as ações das adipocinas, fazendo-se necessário mais estudos sobre o tema.

Rafael de Souza.

Fontes: http://hcnet.usp.br/ipq/revista/vol29/n1/4.html http://portalrevistas.ucb.br/index.php/RBCM/article/viewFile/820/883
http://www1.folha.uol.com.br/folha/ciencia/ult306u612926.shtml

Atualmente, a evolução tecnológica tem exigido do homem uma maior dinamização e produtividade, tanto no campo do trabalho, na capacitação profissional e nos estudos. Isto fez com que ele aumentasse o seu tempo acordado, sacrificando assim algumas horas de sono e comprometendo o desempenho nas tarefas que exigem esforço mental.

O sono é importante para a recuperação da saúde em situação de doença, enquanto a privação deste pode afetar a regeneração das células do corpo e consequentemente  a imunidade fica declinada.

O sono divide-se em  basicamente dois estágios: O sono REM,  que caracteriza-se por uma intensa atividade cerebral, seguida por flacidez e paralisia funcional dos músculos esqueléticos. E o sono não-REM, que ocupa cerca de 75% do tempo do sono, é onde diminuem os ritmos cardíaco e respiratório, relaxam-se os músculos e cai a temperatura corporal. Ocorre também o pico de liberação do hormônio do crescimento e da leptina; e o cortisol é liberado até atingir seu pico, no início da manhã. Distúrbios do sono como: apnéias do lactente; insônia; enurese noturna; parassonias; narcolepsia, são acarretados por alguma incoerência no sono não-REM

A inclusão de exercícios físicos tem trazido benefícios significativos, tanto na melhora efetiva quanto na rapidez do aparecimento desta melhora nos pacientes com tais distúrbios.

A contribuição que o exercício pode trazer para tais pessoas com distúrbios do sono pode ser principalmente das mudanças provocadas por ele no nível de produção de serotonina, um neurotransmissor do Sistema Nervoso Central. No plasma o triptofano é o único aminoácido que pode se ligar à albumina, e sabe-se que mudanças nas concentrações plasmáticas de triptofano não ligado a albumina, pode aumentar a produção da serotonina no encéfalo. A necessidade energética ocasionada pelo exercício físico faz com que as gorduras, armazenadas como reservas de energia sejam recrutadas, essas gorduras também se ligam com a albumina durante o exercício aeróbico, ocorrendo um aumento do triptofano não ligado a albumina, que vai ser absorvido pelo encéfalo e proporcionar um aumento na produção de serotonina. Da mesma forma, a prática de exercício físico faz com que diminua a concentração de outros aminoácidos como os BCAAs, deixando o triptofano livre, levando a um aumento da produção de serotonina.

Contudo Fazer exercícios físicos melhora a qualidade do sono das pessoas, no sentido de menor tempo para adormecer, maior duração do sono, maior tempo de sono em estado profundo e um melhor estado de alerta durante a vigília (dia). Nos pacientes com distúrbios do sono a inclusão de exercícios físicos é significativa, além da melhora na quantidade de alguns neurotransmissores, como a serotonina, responsáveis pelo sono.

Adolfo Reubens e Rafael de Souza

Referências:
1- BLOMSTRAND, E. et al. Changes in plasma concentrations of aromatic and branched-chain amino acids during sustained exercise inman and their possible role in fatigue. Acta Physiol. Scand., n. 133, p. 115-121,1988.
2- CHAOULOFF, F. Physical exercise and brain monoamines: a review. Acta Physiol. Scand., n. 137, p. 1-13,1989.

3- MARTINSEN,E.W. Benefits of exercise for treatment of depression.
Sports Medicine, v. 9, n, 6, p. 380- 389,1990.
4- McARDLE,W.D.;KATCH,F. I.;KATCH,V.L.Fisiologia do Exercício: energia, nutrição e desempenho humano. 4. ed. Rio de Janeiro: Guanabara-Koogan, 1998.

1- BLOMSTRAND, E. et al. Changes in plasma concentrations of aromatic and branched-chain amino acids during sustained exercise inman and their possible role in fatigue. Acta Physiol. Scand., n. 133, p. 115-121,1988.

2- CHAOULOFF, F. Physical exercise and brain monoamines: a review. Acta Physiol. Scand., n. 137, p. 1-13,1989.

3- MARTINSEN,E.W. Benefits of exercise for treatment of depression. Sports Medicine, v. 9, n, 6, p. 380- 389,1990.

4- McARDLE,W.D.;KATCH,F. I.;KATCH,V.L.Fisiologia do Exercício: energia, nutrição e desempenho humano. 4. ed. Rio de Janeiro: Guanabara-Koogan, 1998.

Para reanimar o blog, estaremos dando início a uma série de artigos sobre um tema recorrente dentro das salas de musculação: Dores no joelho.

Nesta nova fase do blog, dois novos autores estão sendo inclusos no fórum de discussões, tratam-se de Marília Folha e Adolfo Reubens, estudantes de educação física, estagiários da academia One fitness. As devidas apresentações serão feitas em postagens à parte.

Queixas acerca de dores no joelho são recorrentes em todo tipo de esporte, justamente por esta se tratar de uma articulação das mais acometidas por lesões, doenças e sobrecargas de exercícios e peso corporal.

Uma das lesões mais comuns que encontramos são as Condropatias, essas investem contra as cartilagens da articulação e a mais comum é a Condromalácea Patelar, chamada também de síndrome da dor patelo-femural ou “joelho de corredor’.

A condromalácia nada mais é do que uma patologia crônica degenerativa acometendo a cartilagem por trás da patela e as extremidades laterais do fêmur. Geralmente causa dor ou desconforto na porção posterior e ao redor da patela.

A dor pode ser sentida mais caracteristicamente ao ficar sentado com o joelhos muito flexionados, andar ou ao subir e descer  escadas. Crepitações e travamentos também são comuns.

A condromalácea patelar pode se desenvolver por conta de sobre peso corporal, desequilíbrio muscular entre os músculos anteriores da coxa e por conta de uma lateralização patelar que é causada por um ângulo muito elevado entre o osso da perna e o quadril. Esta ultima causa é bem comum em mulheres, por isso o número elevado dos casos no gênero feminino.

A patologia não impede a prática de exercícios físicos, mas exige um acompanhamento mais especializado. É recomendado evitar movimentos e esportes de alto impacto, fortalecer e equilibrar as forças entre os músculos anteriores da coxa e se possível sempre utilizar gelo após os treinos para acelarar a recuperação e evitar possíveis inflamações.

Rafael de Souza e Marilia Folha

Fontes: MACHADO, F. A. e AMORIM, A. A. – Condromalácia patelar: aspectos estruturais, moleculares, morfológicos e biomecânicos
PRANDO, T.G. – Condromalácia patelar: uma intervenção do educador físico
http://pt.wikipedia.org/wiki/Condromal%C3%A1cia_patelar
http://www.wgate.com.br/conteudo/medicinaesaude/fisioterapia/reumato/condromalacia/condromalacia.htm

Carnaval vem aí!!

Faltando pouco mais de um mês pra festa mais animada do mundo as academias ficam lotadas com pessoas que buscam o melhor de sua forma física e estética pra brincarem na folia de momo.

De certa maneira, é sempre legal se buscar uma motivação para seus treinos. Qualquer estímulo que lhe faça investir em sua saúde e melhora de suas capacidades físicas é válido.

O que realmente é preocupamnte nesta época são as atitudes que ultrapassam a naturalidade.

Os traficantes de esteróides anabolizantes também triplicam suas vendas durante este período. O que mostra que nem todos buscam somente uma forma natural de se sentirem melhor.

Cuidado com a pressa. Se você quer estar melhor para o carnaval procure uma academia, treine, tome gosto pela prática, brinque com responsabilidade e após a festa volte novamente aos treinos para que no próximo carnaval você esteja ainda melhor.

Responsabilidade!

Rafael de Souza

Um estudo realizado pela Sociedade Europeia de Cardiologia, comprova o que muita gente já sabia, a cerveja é o maior culpado pelas barriguinhas por ser uma bebida que é consumida em altas dosagens.

Os especialistas afirmam que consumir 80 gramas de álcool seguidamente é muito mais propenso a aumentar a gordura abdominal do que se essa quantidade for dividia ao longo do dia.

Os mesmos pesquisadores ainda ratificam o que muita gente acredita, que os acompanhamentos, que são naturais ao se tormar uma cervejinha, podem ser um parceiro perigoso. E dão destaque ao afirmar que o alcool nao é o principal resposável, lembrando que a maioria dos alcoolatras são magros.

http://www.educacaofisica.com.br/noticia_mostrar.asp?id=7554&franquia=22&utm_source=Twitter&utm_medium=Link&utm_content=Noticia_7554&utm_campaign=Media_social

Um vídeo lindo, sobre uma história linda.

Cenas que motivam qualquer um a viver.

Estou vendo se este vídeo me motiva a voltar a escrever também. rsrsrs

História: Ricky ficou asfixiado com o cordão umbilical durante o parto, causando uma falta de oxigenação ao cérebro, o que lhe custou danos irreversíveis. Ele não pode falar, nem controlar os movimentos de seus braços e pernas.
Os médicos diziam aos pais de Ricky que ele deveria ser internado, que seria um vegetal pro resto da vida. Tanto eles quanto a escola acreditavam que o menino não tinha nenuma capacidade de aprender. Porém seus pais decidiram lhe tratar com uma criança normal, lhe dando todo amor que era possível, apesar de nunca terem sequer uma resposta de Ricky.
A dedicação dos pais levou a cientistas desenvolverem um sistema de comunicação para Ricky, que com o movimento lateral da cabeça, o unico do qual tem controle, ele poderia escolher letras em uma tela de computador e compor frases inteiras.
Todos esperavam qual seria a primeira coisa que o garoto escreveria e na tela do computador, e eis que surge “Go Rains”, frase de incentivo ao seu time de hockey, mostando todo amor do menino pelo esporte.
Por fatalidade, um amigo de escola sofreu um acidente e ficou paralítico. Diante disso a escola decidiu organizar uma corrida para arrecadar fundos para ajudar a família. Ricky disse aos seus pais que tinha que fazer alguma coisa e que nao podia deixar que seu amigo achasse que a vida tinha acabado e pediu ao pai pra correr…foi daí que tudo começou.
Ricky e o pai foram quase os ultimos a chegarem, mas o sorriso do menino era o maior do mundo. Ao chegar em casa ele disse pelo computador ao pai, que durante a corrida é como se a deficiência dele sumisse e se chamou de pássaro livre, porque a partir daquele momento estava livre pra correr e competir com todo mundo…

Correr Descalço?

barefoot230x315

Correr hoje é uma febre, e quando se pensa em corrida nos preocupamos logo com que tênis vamos correr, qual a melhor marca, o amortecimente mais eficiente e qual se adequa a minha pisada?

Porém alguns atletas estão virando adeptos da corrida descalça. Especialistas da modalidade afirmam que este tipo de técnica é eficiente para evitar lesões e melhora a postura, acreditando que os tênis forçam a um pisada irregular e não natural.

Difícil realizar correr nas ruas de uma cidade como Recife descalço. Talvez os beneficios motores ainda nao ultrapassem os beneíicios higiênicos e de segurança que um tênis pode trazer.

Fonte: http://www.diariodepernambuco.com.br/2009/09/27/brasil1_0.asp

Power Balance é um holograma quântico, desenvolvido nos Estados Unidos, e vendido como o mais novo e eficiente recurso ergogênico para melhoria de flexibilidade, força e equilibrio.
Segundo o fabricante, um simples adesivo ou pulseira com o holograma é suficiente para melhorar suas valências físicas.

O fantástico tentou desmistificar o assunto, procurou especilaistas, mas niguem soube explicar como isso poderia funcionar, e talvez os efeitos fossem resultado de uma resposta placebo.

Particularmente eu acredito que “há mais coisas entre o céu e a terra do que nossa vã filosofia”, apesar disso eu sou obrigado a ser cientista, foi pra isso que estudei e pra isso que estudo. Continuo acreditando que o melhor para equilibrio, força e flexibilidade são os exercicios físicos. Procure uma academia, não fique dependente de um adesivo! 😉